Como conseguir um melhor financiamento

Comprar um imóvel a vista é para pouquíssimas pessoas. Patrimônios na casa dos seis dígitos levam tempo para ser construídos. Por isso, o financiamento é uma alternativa de compra que cresce cada vez mais no mundo inteiro.

Esse método de pagamento facilita a aquisição e é uma alternativa para quem, por algum motivo, deseja ter uma casa própria a curto prazo. Diferente do consórcio e da poupança, o financiamento é imediato e o comprador pode fazer a mudança a curto prazo. Algo bem atrativo para noivos empolgados ou para pessoas cansadas do aluguel.

Existem muitas facilidades oferecidas pelas instituições para realizar essa transição. Você pode, por exemplo, realizar o pagamento em até 35 anos, tendo em mãos apenas 20% do valor do imóvel como entrada.

Esse já é um bom começo. Mas você sabia que existem formas de obter ofertas ainda mais vantajosas para fazer o seu financiamento?

Este artigo explica tudo o que você pode fazer para que a sua aquisição saia mais leve no bolso e mais fácil nos papéis. São 7 estratégias bem simples que irão baratear muito no custo total. Confira:

Junte para dar uma boa entrada
Quanto maior for a entrada, menor será o valor a ser financiado e, com isso, o valor total com os juros inclusos. Apesar de muitos bancos oferecerem a opção de entrada a partir de 20% do valor imóvel, considere juntar ainda mais.

Não dê um passo maior que a perna
Até por isso, não se empolgue tanto a ponto de pôr em risco a sua vida financeira. Apesar das facilidades do financiamento, você precisa ganhar o suficiente para que o valor da parcela não ocupe um percentual maior que 30% da sua receita. Isso pode inclusive fazer com que o banco negue o financiamento por entender que o risco de calote é maior neste tipo de circunstância.

Esteja quitado
A concessão de crédito por parte do banco funciona com base na confiança – com o mercado e com o comprador. Então, pessoas com nome no Serasa ou pendências atuais com algum banco podem ter seu financiamento negado.

Existe uma modalidade no Serasa chamada cadastro positivo, que funciona como um “currículo financeiro”. Ele registra as boas práticas da pessoa e dá à instituição financiadora uma prova, um voto de confiança sobre a integridade do comprador.

Considere um banco que você já é cliente
Se o financiamento funciona na base da confiança, negociar com uma instituição que já conheça o seu histórico com certeza ajudará. E muito. Além disso, bancos costumam oferecer vantagens e benefícios para seus clientes. Então não se esqueça de perguntar por isso. Pode ser que tenha um desconto especial esperando por você!

Pesquise
Uma boa pesquisa pode ajudar a não cair em negociações desvantajosas. Conhecer a média de preços do mercado fornecerá uma base para que você solicite melhores condições. Os bancos costumam oferecer simuladores em seus sites para que você tenha uma ideia do quanto precisará desembolsar. E se quer um orçamento ainda mais detalhado, existem sites que comparam os juros cobrados por diferentes bancos.

Negocie pessoalmente
Apesar da primeira pesquisa na internet ou por telefone ser uma opção viável para ter em mente a média de preços, feche negócios pessoalmente. Face a face é possível chegar a melhores acordos e ter acesso a mais opções.

Negocie como pessoa jurídica
Bancos costumam oferecer melhores ofertas para pessoas jurídicas. Se você tem um CNPJ, pode considerar entrar com ele para a aquisição. Mas essa prática exige cautela. Tome cuidado para não misturar suas finanças pessoais com as da sua empresa e tenha em mente que você não poderá, de forma alguma e para o bem da sua empresa, sujar o seu Cadastro de Pessoa Jurídica.

E então, que tal começar agora a pesquisar as taxas de juros ou mesmo investir naquela poupança de médio prazo? Se você sonha com a casa própria, é uma boa começar a agir para que tudo seja mais fácil no futuro!

Se tiver uma alguma dúvida sobre financiamento, converse com a gente!