Compro ou alugo? O que é mais vantajoso, afinal?

Chegou a hora de mudar! Quando o casório está começando a ser planejado, a família aumenta ou morar sozinho vira uma necessidade, a pesquisa de imóveis começa.

Uma busca aqui, um orçamento ali, mas as dúvidas não param de surgir. Novo ou usado? Financiado ou à vista? Comprar ou alugar?

Muita calma nessa hora! Para não tomar ações precipitadas e fazer a melhor escolha a longo prazo, é importante entender um pouco mais sobre todas as possibilidades e as consequências de cada opção.

Para ajudar a desanuviar as dúvidas e esclarecer um pouco mais sobre o assunto, a Forme separou algumas considerações sobre uma das mais frequentes dúvidas que surgem nessa hora: vale mais a pena comprar ou alugar?

Essa não é uma questão tão simples de ser respondida. A opção mais vantajosa para você depende de diversos fatores como o seu faturamento, o seu estilo de vida, o quanto você tem investido em sua carteira e em quanto tempo planeja se mudar.

Se pretende comprar, fazer a transação à vista será, sem dúvida, mais vantajoso financeiramente. O financiamento funciona na base de juros, que oneram a instituição responsável e por isso encarecem o valor total do imóvel.

Este último modelo de compra é ideal para quem precisa se mudar em curto prazo, tem dinheiro para arcar com as parcelas e não se importa de pagar bem mais que o valor original do imóvel.

É importante levar em consideração que, no financiamento, embora o móvel seja de seu uso e cuidado, burocraticamente ele ainda pertence ao banco. Enquanto as parcelas não estiverem quitadas, o patrimônio está sob posse da instituição, como garantia. Afinal, você está praticamente “recomprando” ele da empresa financiadora.

Falamos um pouco mais sobre financiamento nos artigos “O que é e como funciona o financiamento?” e “Como conseguir um melhor financiamento?”.

Se você não pode comprometer grande parte do seu salário com um financiamento ou sabe que a quantia fará falta dentro de alguns anos, é melhor começar a juntar para comprar à vista.

Nesse meio tempo, o aluguel pode funcionar como uma segunda opção. Alugar um imóvel mais em conta e, nesse meio tempo, aplicar em fundos de investimento é uma estratégia amplamente utilizada por quem pretende fugir dos empréstimos do banco.

Embora, dessa forma, a pessoa tenha que passar alguns bons anos vivendo em uma propriedade alheia, o total investido nisso pode ser até menor doque os gastos com juros. Basta saber que durante esse período os luxos serão menores, dado que o orçamento para moradia será dividido entre aluguel e investimentos.

Existem também aqueles que nem sonham com a casa própria. Pessoas com estilo de vida mais mutável ou aventureiro podem até gostar de não contar com um local fixo. Isso proporciona liberdade para trocar de lar quando for desejado e traz também inúmeros benefícios financeiros.

Ficar nessa vida de aluguel pode dar a impressão de que o valor investido não tem retorno, pois a propriedade é do locador. Inflexibilidade para reformas e instabilidade para famílias formadas são fatores que levam muitas inquilinos a buscarem sua casa própria.

Como você observou, são inúmeros fatores a se levar em conta na hora de fazer uma decisão como essa. Trouxemos algumas dicas e conselhos para você entender em mais detalhes as implicações de cada escolha. Agora cabe a você avaliar o que será mais vantajoso em sua vida!

E você, o que acha disso tudo? Tem algum comentário ou dúvida? Converse com a gente!