Qual a melhor carta de crédito para financiamento?

Você já deve ter ouvido falar ou mesmo se deparado, na hora de fechar o financiamento, com termos como SBPE, financiamento por FGTS e Pró-cotista. Essas são modalidades de financiamento e, apesar das diferenças entre si, todas apresentam um benefício. Mas você a diferença entre elas?

Para esclarecer um pouco mais, separamos algumas características de cada modelo de financiamento com uma breve explicação de cada. Entenda:

SBPE
SBPE significa Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo. Isso quer dizer que, na modalidade, o banco utiliza recursos dos fundos depositados pelos seus usuários para realizar o empréstimo do financiamento. É o sistema mais popular do Brasil. Algumas de suas características são:

  • O imóvel financiado não pode exceder R$500.000,00.
  • Valor máximo de financiamento de R$450.000,00 (no máximo 90% do valor do imóvel).
  • Prazo máximo de 360 meses (30 anos) para pagar.
  • Comprometimento de renda máximo de 20% do rendimento da parte financiadora.
  • É permitido possuir outros móveis em seu nome.

FGTS
Essa modalidade permite ao comprador a utilização do saldo do FGTS para a entrada ou para a quitação das parcelas. Porém, o imóvel só pode ser utilizado para fins de habitação. Isso significa que você não poderá utilizar o FGTS para abrir o seu estabelecimento.

  • Valor de financiamento máximo de R$500.000,00.
  • Financiamento de até 100% do valor do imóvel.
  • Prazo de até 420 meses (35 anos) para pagar.
  • Descontos e reduções nas taxas de juros para quem possui conta ativa ou inativa com saldo do FGTS e que tenha, pelo menos, 36 contribuições sob o regime do FGTS.
  • Utilização única. O comprador não ter recebido desconto do FGTS em outro financiamento habitacional.

Pró-cotista
O Pró-cotista permite um maior valor de financiamento e só concedido também a quem tem conta no regime FGTS.

  • Valor de financiamento máximo de R$ 950.000,00.
  • Sem limite de renda.
  • Prazo máximo de 360 meses (30 anos) para abatimento das dívidas.
  • O comprador precisa ter, ao menos, 36 meses de contribuição no FGTS.
  • Não pode ser proprietário de outros imóveis.

E aí, deu para esclarecer um pouco? Esperamos que com essas informações, você consiga ter uma base para escolher previamente. O ideal é que você converse o máximo que conseguir com negociadores de mais de uma instituição, para saber qual a melhor opção para você. Informe-se ainda mais!

Se você gostou desse conteúdo e quer aprender mais sobre esse mercado imobiliário, continue acompanhando as nossas publicações no blog. Siga-nos também nas redes sociais e fique por dentro de todas as novidades.